Controle e Gerenciamento de Água de Lastro e Sedimentos dos Navios entrará em vigor em 2017

14 nov Controle e Gerenciamento de Água de Lastro e Sedimentos dos Navios entrará em vigor em 2017

A partir de 08 de setembro de 2017 passa a vigorar mundialmente a Convenção Internacional para o Controle e Gerenciamento da Água de Lastro e Sedimentos dos Navios. Com esta medida, os navios enquadrados na Convenção precisarão instalar um Sistema de Tratamento de Água de Lastro para cumprir as normas estabelecidas nas Regras constantes desta Convenção.

A Convenção Internacional para o Controle e Gerenciamento da Água de Lastro e Sedimentos dos Navios teve sua adoção internacional em 13 de fevereiro de 2004, com o propósito de prevenir, minimizar e, por fim, eliminar os riscos da introdução de organismos aquáticos nocivos e agentes patogênicos existentes na água de lastro dos navios que entram nos portos.

No Art. 18 da Convenção está estabelecido que essa regra só passe a vigorar 12 meses após a data em que, pelo menos, 30 Estados, cujas frotas mercantes combinadas constituam 35% ou mais da arqueação bruta da frota mercante mundial, assinem a Convenção sem reservas no que tange à ratificação, aceitação ou aprovação, ou tenham entregue na Organização Marítima internacional (IMO) o instrumento de ratificação, aceitação, aprovação ou adesão em conformidade com o Artigo 17.

Sendo assim, no dia 8 de setembro de 2016, com a adesão da Finlândia, foi atingida a arqueação bruta da frota mercante mundial necessária para provocar a entrada em vigor da Convenção 12 meses a partir desta data.

BALPURE®: a melhor solução em sistemas de tratamento de água de lastro

balpure-1De acordo com o Engenheiro de Vendas do Grupo VICEL, Victor Carvalho, a parceira De Nora Water Technologies, representada com exclusividade pela empresa no Brasil, estabeleceu um padrão em sistemas de tratamento de água de lastro com o lançamento do BALPURE®. Ele tem aprovação na Organização Marítima Internacional e foi certificado com Type Approval pela BSH Germany e Bureau Veritas. Tem excelente custo-benefício para novas embarcações ou retrofits, pois possui baixo custo de operação e manutenção. Além disso, se apresenta como a solução ideal de tratamento de água de lastro por não interferir na operação dos navios. Para Victor, “a De Nora entende a dinâmica portuária destas embarcações e desenvolveu um equipamento que trabalha enquanto o navio está em rota, e não quando está ocupado com cargas/descargas. O BALPURE® foi projetado para adequar-se ao projeto e à operação destes navios e realiza o tratamento da água de lastro através da eletrólise da água do mar, se valendo de 1% do fluxo de lastro do navio para gerar o hipoclorito de sódio, biocida gerado in situ, que controlará a proliferação de microrganismos ao longo da viagem. O que diferencia o BALPURE® de outros competidores que utilizam a mesma tecnologia são seus eletrodos auto-limpantes (que garantem a eficiência do aparelho durante as horas de uso) e sua capacidade de produzir uma concentração de biocida até duas vezes maior, que permanece a viagem inteira, sem prejudicar os testes de amostragem e controle quando o navio chegar ao porto. Além disso, não é preciso fazer a lavagem ácida e, com isso, não há o armazenamento de produtos químicos a bordo”.

Outro ponto a favor é que a De Nora é líder mundial na produção de eletrodos usados no processo e eles possuem 5 anos de garantia, algo que não se encontra no mercado. Então, o BALPURE® é a melhor opção para quem deseja um sistema de alta qualidade. O método de tratamento é especialmente vantajoso para petroleiros e cargueiros de GNL/GPL, grãos e/ou contêineres, pois o sistema acomoda tratamento de água de lastro de navios que vão de 500 a 20.000 m3/h”, garante Carvalho.

Saiba mais sobre o BALPURE® em nosso site.

 

Fonte: Portal Naval e Marinha do Brasil