Veja a importância da resiliência no trabalho em equipe

11 jan Veja a importância da resiliência no trabalho em equipe

*Por Marco Fabossi

Para entender a Resiliência no trabalho em equipe imagine a seguinte situação: você e alguns amigos descem um rio num barco a remo. Eis que a correnteza começa a ficar mais forte e puxa-os para uma queda d`água. Vocês começam a remar no sentido contrário, mas ainda assim a força da correnteza continua levando-os em outra direção. Qual a sua reação? Você se empenha em remar ainda mais forte e de forma sincronizada com seus amigos, ou resmunga, reclama da situação, e ainda culpa quem teve a brilhante ideia de fazer esse passeio?

Se você, com energia, busca remar e motivar seus amigos a fazer o mesmo, está agindo com resiliência. Se, contudo, preferir resmungar, reclamar e buscar culpados, está optando pelo time dos desistentes.

Resiliência é um termo que vem da física, e que representa a capacidade que os materiais têm de retornar ao seu estado original depois de serem submetidos à pressão ou deformação. Uma bola de borracha, por exemplo, volta rapidamente ao seu estado normal depois de pressionada, portanto, é um material resiliente.

Em gestão de pessoas, resiliência significa quase a mesma coisa; ela representa a capacidade que as pessoas têm de superar adversidades com resultados satisfatórios, porém, nunca retornando ao seu estado normal, pois se isso acontecer significa que não aprendemos nada com a situação. Portanto, resiliência é a capacidade de transformar problemas em soluções criativas, e ainda aprender com eles.

Segundo estudos conduzidos por Paul Stoltz, a resiliência é um dos principais segredos dos profissionais de sucesso, porque nos permite enfrentar, processar e solucionar os problemas e dificuldades que surgem inesperadamente no dia-a-dia. Ainda segundo Paul Stoltz, existem três tipos de profissionais:

Desistentes: Pessoas com as quais não podemos contar. Que acreditam que as coisas não vão dar certo, e normalmente se posicionam como vítimas da situação. Adoram contaminar as outras pessoas com seu pessimismo e insatisfação. Quando há um novo projeto, desaparecem. Aproximadamente 10% das pessoas estão neste grupo;

Campistas: Pessoas que preferem permanecer na Zona de Conforto. Pessoas que cumprem muito bem suas obrigações, mas não provocam mudanças. Participam de mudanças quando solicitadas a fazê-lo, mas não as provocam. Um dos principais problemas do campista é que em dias de grande stress ou adversidade, corre o risco de tornar-se desistente. Aproximadamente 80% das pessoas fazem parte deste grupo;

Alpinistas: Pessoas que encaram problemas como desafio. É a pessoa que enfrenta os problemas de frente, que gosta de buscar melhores formas de fazer o mesmo, que tem foco na solução. É alguém que não sofre nem se conforma com o ambiente, mas trabalha para modificá-lo quando necessário. Aproximadamente 10% das pessoas fazem parte deste grupo.

Em que grupo você está? Em que grupo você quer estar?

Resiliência é uma das principais características de equipes de alto desempenho, porque em vez de reclamar daquilo que não gostam ou não concordam, seus integrantes focam no resultado e cooperam entre si para torná-la a equipe que eles gostariam que fosse. E para que isso aconteça, eles se fazem duas perguntas bem simples:

Reclamar ajuda? O que eu posso fazer para ajudar a resolver ou melhorar esta situação?

Meu desafio a você: experimente usar esses perguntas em seu dia-a-dia…

*Marco Fabossi, Sócio-diretor da Crescimentum – Alta Performance em Liderança, é Conferencista, Consultor, Coach Executivo e Coach de Equipe, com foco em Liderança e Coaching. 

 

Fonte: Dicas Profissionais