Antártida vai abrigar maior reserva de conservação marítima do mundo

ccamlr

18 nov Antártida vai abrigar maior reserva de conservação marítima do mundo

Acordo vai colaborar para a preservação de mais de 10 mil espécies encontradas no Mar de Ross

Após muitas discussões e negociações, os representantes de 24 países e da União Europeia chegaram a um acordo histórico que torna o Mar de Ross, localizado na Antártida, a maior reserva de conservação marítima do mundo, preservando mais de 1,55 milhões de km² de oceano da pesca pelos próximos 35 anos.

O processo para chegar a esse acordo durou cerca de cinco anos, pois países como a Rússia e China eram contra a criação dessa reserva. Mas, no mês passado, ele foi acertado pela Convenção para Conservação dos Recursos Vivos Marinhos Antárticos (CCRVMA) na reunião anual de Hobart.

O encontro tinha o propósito de estudar o plano de ação para criação de três áreas marinhas protegidas, abrangendo mais de cinco milhões de km² do oceano antártico. Porém, a segunda opção, que foi projetada pela Austrália e União Europeia, referente à proteção da parte oriental do continente, teve que ser arquivada. A Alemanha também apresentou uma terceira proposta para criar uma área protegida no mar de Weddell.

O diretor Mike Walker, diretor da organização Antartic Ocean Alliance, comemorou essa conquista: “Pela primeira vez, os países superaram suas divergências para proteger uma grande área do oceano austral e águas internacionais”, disse em entrevista ao site El País.

Ação vai preservar mais 10 mil espécies

O oceano antártico possui mais de 10 mil espécies únicas, sendo um dos últimos ecossistemas marinhos intactos do mundo, habitat de pinguins, focas, baleias e bacalhau antártico, muitos deles ameaçados pela pesca e navegação. Na área preservada será apenas permitido estudos para fins científicos, para compreensão dos efeitos da mudança climática e do ecossistema marinho.

O acordo está previsto para entrar em vigor em dezembro de 2017 e após os 35 anos, os países membros da CCRVMA irão decidir se irão prorrogar ou não essa reserva, algo que com certeza não será fácil, já que o processo no passado teve muitas dificuldades para ser aprovado e finalizado.

Os países que fazem parte dessa convenção anual são: Brasil, Argentina, Austrália, Bélgica, Bulgária, Canadá, Chile, China, Ilhas Cook, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, índia, Itália, Japão, Coreia do Sul, Ilhas Maurício, Namíbia, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Paquistão, Panamá, Peru, Polônia, Rússia, África do Sul, Espanha, Suécia, Ucrânia, Reino Unido, Estados Unidos, Uruguai e Vanuatu.

Foto: Facebook CCAMLR

 

Fonte: Pensamento Verde

Nenhum comentário

Ecrever comentário