Plano de recursos hídricos 2020 inova ao colocar entre as prioridades a promoção do reuso da água

Reuso da água

13 fev Plano de recursos hídricos 2020 inova ao colocar entre as prioridades a promoção do reuso da água

A revisão do Plano Nacional de Recursos Hídricos do Brasil feita em dezembro de 2016 estabeleceu como metas prioritárias até 2020 iniciativas para frear a crise hídrica e os efeitos das mudanças climáticas. A resolução defende a necessidade de integrar a política de recursos hídricos com a política ambiental e os setores de saneamento, irrigação, energia, turismo, bem como estabelecer critérios de autorização para o uso da água e, ainda, à fiscalização dos usuários, considerando as particularidades das bacias hidrográficas.

“O trabalho, realizado pela Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano do Ministério do Meio Ambiente, e referendado pelo Conselho Nacional de Recursos Hídricos (CNRH) inova, ao propor na lista de prioridades ações, como a promoção do uso sustentável e reuso da água, fundamentais numa época de escassez, como ocorre na região semiárida do Nordeste”, afirmou o Ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho.

A revisão do plano, publicada no Diário Oficial em janeiro, ocorre em um momento de crise hídrica no Brasil, com o Nordeste enfrentando a pior seca em 100 anos e o Distrito Federal tendo que racionar água pela primeira vez na história.

Estudos feitos sob encomenda do próprio governo indicam que os recursos hídricos serão fortemente impactados no Brasil já no meio do século devido à mudança do clima. Segundo o projeto Brasil 2040, realizado pela extinta Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, bacias hidrográficas no Norte, Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste terão reduções de vazão (o Sul deve ter mais chuvas). Isso deve afetar a geração de energia em hidrelétricas nessas quatro regiões.

Para Victor Carvalho, Coordenador Comercial da VICEL, a mudança reforça o movimento que vem crescendo no Brasil em favor do reaproveitamento de água. “Felizmente, temos observado avanços em nosso país a respeito de políticas voltadas a essa prática. Hoje, tramitam no Congresso Nacional projetos de lei em prol do reuso, com textos dedicados a subsídios para empresas, redução de custos e diminuição de impostos para os equipamentos utilizados, por exemplo. As indústrias também vêm se posicionando e a Confederação Nacional das Indústrias (CNI) apresentou no ano passado propostas de alteração da Lei Federal de Saneamento Básico, com o objetivo de incentivar o investimento na construção de plantas que tratem os esgotos para produção de água e para garantir que os compradores de água de reuso recebam o recurso na qualidade, periodicidade e preço compatíveis com a demanda. Vivemos um momento favorável e a VICEL tem competência para atender àqueles que desejam investir no reuso de água como modelo de economia e consciência ambiental. Nossos sistemas de reuso podem ser instalados em locais de grande circulação de pessoas como condomínios, hotéis e shopping centers, entre diversos outros empreendimentos comerciais e industriais”, afirma.

2 Comentários
  • Benedito Marcio de Oliveira
    Posted at 11:09h, 17 fevereiro Responder

    Interessante, um caminho que eu gosto. Abraços.

    • Fv Comunicacao
      Posted at 14:29h, 23 fevereiro Responder

      Que bom que gostou da leitura, Benedito!

Ecrever comentário